Lançamento Kawasaki 2018!
Lançamento Kawasaki 2018!
Exclusivo para usuários registrados!
Camisetas e Adesivos Exclusivos!
Keep calm and keep in touch!
Clique e venha participar!
Entre para a maior comunidade Kawasaki Ninja da América Latina.

Informativo

Colapso
Nenhum Informativo ainda.

SBK Brasil: Copa Kawasaki Ninja 300 chega à sétima temporada

Colapso
X
  • Filtro
  • Data
  • Mostrar
Limpar tudo
novos posts

  • SBK Brasil: Copa Kawasaki Ninja 300 chega à sétima temporada

    img98899-1468441208-v580x435.jpg

    img98900-1468441212-v580x435.jpg

    img98902-1468441233-v580x435.jpg

    img98905-1468441267-v580x435.jpg

    img98908-1468441303-v580x435.jpg

    img98909-1468441314-v580x435.jpg

    Na temporada 2016 do SuperBike Brasil, a já conhecida Copa Kawasaki Ninja 300 inicia sua sétima temporada junto ao maior campeonato de motovelocidade das Américas e se consolida como uma das categorias monomarcas mais bem-sucedidas em campeonatos de motovelocidade.

    A Copa Kawasaki Ninja 300 tem a proposta de colocar uma motocicleta praticamente original de fábrica nas pistas e de ser uma porta de entrada para os apaixonados por motocicletas e corridas. Com esta fórmula a categoria ganhou importância e, a cada ano, soma elevado número de participantes e forma novos campeões.

    Esse é o caso de Matheus de Oliveira Dias (#70), da equipe Motom – atual campeão da SuperSport – que venceu a temporada 2011 da Copa Kawasaki Ninja 300, isso quando ainda era utilizada a moto Ninja 250. Alex Schultz (#22), da Dynel's Racing Team, também participante da SuperSport, assegurou o título com as Ninjinhas no ano seguinte, em 2012. Já Niko Ramos (#822), da Tecfil Racing Team – o atual campeão –, venceu duas vezes. Em 2014 obteve o primeiro lugar pela categoria Light e posteriormente, em 2015, unificou os títulos com a vitória na principal. Nesta temporada, Niko Ramos disputa o SuperBike Brasil pela SuperStreet, categoria multimarcas com motos de 300 cilindradas.

    A linha do tempo da Copa Kawasaki Ninja 300 apresenta algumas características interessantes, além de números homéricos. Com uma média de 55 pilotos por temporada, 2014 marcou o ano de maior adesão, alcançando incríveis 77 inscritos ao longo das seis etapas realizadas. Neste mesmo ano, a moto esportiva de entrada da Kawasaki foi aperfeiçoada e ganhou mais 50 cilindradas, dando início ao atual nome da categoria. O modelo da Ninja 250 foi gradativamente aposentado das pistas e a Ninja 300 assumiu o seu posto de protagonista. Já em 2015, a novidade ficou por conta da implantação das rodadas duplas. A cada etapa eram disputadas duas baterias, elevando assim para 13 o número de corridas realizadas no ano.

    E por falar em questões mecânicas, a Copa Kawasaki Ninja 300 permite pouca, ou quase nenhuma, alteração nas configurações originais de fábrica da moto. Ou seja, os modelos que correm nas pistas são praticamente os mesmos encontrados nas concessionárias. A categoria proíbe a preparação do motor e alterações em partes importantes como nos freios, câmbio, sistema elétrico e rodas. Tudo precisa ser original. As modificações permitidas são restringidas a livre escolha da relação, filtro de ar e escapamento, além do preparo das suspensões.

    O piloto e organizador do SuperBike Brasil, Bruno Corano, destaca a importância da Copa Kawasaki Ninja 300 e acentua que o desenvolvimento da categoria partiu de uma ação comercial que atingiu um enorme sucesso. “Ela deu muito certo, porque as pessoas passaram a ver que a moto, em condições originais, é muito rápida, durável e resistente. E para os atletas, tornou-se a categoria mais divertida e econômica do país. Foi uma combinação bem-sucedida”, avalia Corano. E completa: “A Copa Kawasaki Ninja 300 não é somente a mais antiga, a maior e a mais sólida categoria monomarca do país, como também é uma escola para todas as outras fábricas que tentam imitá-la, apesar de nenhuma chegar nem perto do que ela é”, conclui.

    Nesta temporada, como de costume, a Copa Kawasaki Ninja 300 segue como uma das categorias mais disputadas e emocionantes do SuperBike Brasil. Com três rodadas realizadas, Sandro Paganelli (#64), da equipe Paganelli Racing, ocupa a liderança na tabela classificatória, com 67 pontos, apenas seis a mais que Fernando Santos (#234), da Tecfil Racing Team, que vem logo atrás em segundo. Já pela categoria Light, Jeferson Souza (#707), da Tecfil Racing Team, ocupa a ponta com 72 pontos e mantém uma vantagem maior para o vice-líder, Bruno Ribeiro (#169), da equipe Rota Baús, que tem 58 pontos. A 4ª Etapa da Copa Kawasaki Ninja está se aproximando e essas disputas prometem ficar ainda mais quentes. A prova será realizada no dia 17 de julho, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo.


    Serviço
    4ª Etapa SuperBike Brasil: 17 de Julho - Interlagos-SP
    Ingressos para ARQUIBANCADA são GRATUITOS.
    Informações Adicionais: Tel.: 11 5524-5684 ou pelo site: www.superbike.com.br
    O SuperBike Brasil tem Patrocínio Silver Honda, Mobil, Pirelli e Yamaha. Patrocínio Bronze Premium de Kawasaki, Ducati e MotoSchool. Patrocínio Bronze de Shark, Diafrag, Alpinestars e Tutto Moto.


    Fotos: Divulgação/VGCOM/Johanes Duarte e Ricardo Santos




    Fonte:
    Equipe MOTO.com.br

  • #2
    Já tivemos vários membros do KNB competindo na Copa Ninja 250R / 300...
    entre 2011~2013...

    Comente


    • #3
      Verdade ! O KNB foi um dos pioneiros nessa bagaça. kkkkkkk

      Comente


      • #4
        Originalmente postado por Szk Ver postagem
        Já tivemos vários membros do KNB competindo na Copa Ninja 250R / 300...
        entre 2011~2013...
        depois de mt tempo, quem pensa em competir hoje sou eu...

        Comente


        • #5
          Originalmente postado por wesley18 Ver postagem
          depois de mt tempo, quem pensa em competir hoje sou eu...

          Má Vá !!! kkkkkkkkkkkkkkkkk

          Comente

          Aguarde...
          X